Atriz curitibana Nena Inoue ganha o Prêmio Shell de Teatro. Confira a lista completa de ganhadores!

Cenicas;PremioShell;

O 31º Prêmio Shell de Teatro teve um vencedor diferente para cada uma das nove categorias. Discursos engajados e homenagens à vereadora Marielle Franco deram o tom da festa que premiou cada vencedor com a quantia de R$ 8 mil, além da famosa concha dourada que representa a marca da patrocinadora da premiação.

Apresentada pela dupla Marcos Caruso (de “O Escândalo Philippe Dussaert”) e Vilma Melo (de “Fulaninha e Dona Coisa”),  a cerimônia teve muitas menções à Marielle, muito por conta da proximidade da marca de um ano de seu assassinato (nesta quinta), mas também pela prisão dos suspeitos do crime, que ocorrera na manhã da mesma terça.

“A Invenção do Nordeste” levou o prêmio de melhor dramaturgia. É um espetáculo do Grupo Carmin, do Rio Grande do Norte, sobre o estereótipo de”nordestino”. Já “Esperança na Revolta”, da Confraria do Impossível, levou o troféu de melhor direção.

A atriz curitibana Nena Inoue levou o prêmio de melhor atriz, pelo espetáculo “Para não morrer”.

PARA NÃO MORRER traz histórias verídicas da luta de mulheres e aborda temáticas femininas e feministas atreladas a questões políticas, especialmente da América Latina. Tem direção e atuação de Nena Inoue à partir da obra “Mulheres”, de Eduardo Galeano, com dramaturgia de Francisco Mallmann e parceria de criação de Babaya. Apresenta uma mulher que se apropria da palavra e, dessa forma, dá voz a muitas outras. Diferentes lugares, vidas e momentos históricos se mesclam com a urgência do ser dito e a coragem de narrar, contar essas histórias.

 

Confira a lista completa de vencedores:

AUTORIA

– Henrique Fontes e Pablo Capistrano por “A Invenção do Nordeste”

DIREÇÃO

– André Lemos por “Esperança na Revolta”

ATOR

– Otto Jr. por “Tebas Land”

ATRIZ

– Nena Inoue por “Para não morrer”

CENÁRIO

– Doris Rolemberg por “A Última Aventura É a Morte”

FIGURINO

– Ney Madeira e Dani Vidal por “Bibi – Uma Vida em Musical”

ILUMINAÇÃO

– Elisa Tandeta por “Um Tartufo”

MÚSICA

– Pedro Luiz, Larissa Luz e Antônia Adnet por “Elza”

INOVAÇÃO

– Coletivo 2ª Black por criar um espaço de encontro, pesquisa, troca de saberes e apresentações de experiências cênicas de artistas negros.

Os vencedores foram definidos pelo júri Ana Achcar, Ana Luisa Lima, Bia Junqueira, Moacir Chaves e Patrick Pessoa.