OUÇA: LEIA: Não tem saída. Nenhuma. Todos os seus gestos estão errados. Seus argumentos não condizem com a realidade. Não alcança o ponto. Deixa cru. Não sabe do ponto. Queima. Toda palavra que sai de sua boca volta para si como uma revelação de um furo. E sempre está errado, falho, confuso. Ele não aprende …

OUÇA:   LEIA: Ah, se eu fosse você Se eu fosse, só se fosse Voava Voava pra longe Bem longe daqui Pra onde quisesse   Voava assim como um passarinho Leve e rápido Cantando   Sem nem olhar pra trás E se eu fosse você Pousava em lugar com gente amiga Gente que cantarola no …

OUÇA:   LEIA: Apelo Portas fechadas A rua é desabrigo O sol é minguado Nublado Qualquer vento arrepia A pele   Outras bebidas Cachaça esquenta Álcool esquenta Liberta a alma Que já é fraca Que já não aguenta   Quem pode se enrosca Travesseiro Cobertor Outro corpo Outro calor   Por dentro a sopa Esquenta …

OUÇA:     LEIA:   Segunda O corpo levanta Não acredita Não aguenta Café Pão com manteiga   Barriga   Terça O corpo rasteja Desacredita Nem café Nem pão Que seja   Cabeça   Quarta O corpo nem pensa Dores de tudo Banho Drogas Mandingas Esquemas   Peito   Quinta O corpo exige Acaba logo …

OUÇA: LEIA: Tum (Silêncio)   Tum (Silêncio)   Tum Tum Tum Tu que Tu que Tu que Tu que Tu ba Tu ba Tu ba Tu ba Que Que Que Que Tum (Silêncio)   Ba.   ASSISTA:   Visualizações 0

OUÇA:   LEIA: – Quem é? Nada assusta mais que o silêncio atrás de uma porta. – Quem é? Pelo olho mágico não vê ninguém. Se afasta. E de novo ouve o som da campainha. Leva um susto. Fica tensa. Não esperava ninguém. – Quem é, porra? Dá mais uma volta na chave e tranca …

OUÇA:   LEIA: Quem anda em pares,anda meio afogado de si. Veja o domingo. Dia ímpar da semana. Os demais dias, quando frios, acabam pareados, um atrás do outro, aguados e esquecidos, perdem as“imparidades”. Feito assim, nada se compara ao domingo, em tudo fora de hora, do café fora de hora, longe das salas de luz …

OUÇA: LEIA: O silêncio da madrugada é estilhaçado por um coração que bate forte em meu peito. Uma batida só. Tum! Tão forte que escuto daqui de fora e sinto tremer meu corpo querendo dormir. A cabeça, esta ingrata e cheia de nós, esquece de tudo e fica acordada, zumbizando pela casa. As gotas que …

OUÇA: LEIA: O corpo quente numa nudez crua, sem quase humanidade e envolto num pano cinza, ajeita pequenos trapos e papéis no chão frio em pedras de esquina suja. É quase noite.   Ele fala, conversa. Parece sozinho mas, não está.   O corpo não é visto e as gentes passam longe, desviando os olhos com …

OUÇA:   LEIA:   Letras mancando no branco Eu, que de pouca alegria Busco na história vazia O que da vida é só pó   Silêncio que faz o tempo Deste que resta do dia Na sombra da noite fria Vazia, mesmo tão só   Na mesa o papel esqueço Traço de minha agonia De …