Posts em categorias

Igor Moura


  “Pronto. Já estoquei papel higiênico para os próximos 6 meses. Já comprei 10 litros de álcool em gel, 8 quilos de feijão, 8 quilos de arroz, 30 pacotes de macarrão da minha marca favorita, 5 litros de molho de tomate, 50 miojos, 20 barras de chocolate 70% cacau, 10 quilos de batata, 3 quilos …

  Estava lá, mais uma vez com os argentinos do jazz. Desta vez, após outro show borbulhante, fomos parar no famoso bar de nome composto, ali perto do trilho do trem. Do trem das cargas pesadas, do trem enferrujado que eu pensava passar apenas uma vez por dia. Desatento, mas auxiliado pelo novo amigo, gêmeo …

  A placa da imobiliária responsável por uma série de malandragens no passado, mas o outro lado da moeda, no caso a venda, parece ser mais promissor, enfim, o fato dessa placa estar agora do meu lado me lembra que é hora desse “boy” aqui se mexer um pouco. Após os pequenos grandes sonhos produzidos …

  O ano foi pesado e marcado pela morte física da minha mãe querida. Nos sonhos, ela continua mais viva do que nunca e independente do que acontece no mundo real, ela seguirá sendo uma espécie de guia eterno, me protegendo dos caminhos obscuros típicos dos tempos modernos. Viajar se tornava novamente necessário. Viajar naquele …

Foto/Arte: Nicki Crock Talvez você já tenha ouvido falar por aí, em algum canto obscuro, ou talvez aqui mesmo, nesse blog capenga e com o prazo de validade vencido. Tentarei escrever e descrever esse projeto improvisado e que durou mais de quatro anos. Isso, graças ao meu amigo e parceiro das ruas, o mítico Caldabranca, …

E foi assim, em modo detonação lenta, enquanto na cabeça o grito urgente de Charles Bradley ecoava a canção de Ozzy: “estou atravessando mudanças”, que aos poucos os dinamites transmutacionais destroçavam as pontes de um passado recente. Os últimos meses foram como esses últimos episódios dessas séries que gostamos de desperdiçar nossos tempos. É hora …

  Instantes inconstantes que precedem a mudança no clima na cidade dos pinheirais. Após quarenta dias de sol a chuva amiga das plantas e inimiga dos eventos sociais vem para limpar a poeira acumulada. Fugazes hibernações são capazes de produzir sonhos em toneladas. Viagens do inconsciente por entre vielas da memória sensitiva envolvendo personagens recorrentes: …

Outro dia arrastado, sem brilho, com o sol escaldante de janeiro, desse janeiro que me deu a vida, outro mero detalhe pertencente a infinita coleção de coincidências e que por algum motivo ou outro resolvemos etiquetar assim. Quando estamos bem as coincidências são sinais divinos auxiliadores de caminhos. Quando estamos mal, bem, elas são apenas …

  Memórias recentes de gente que sente que esse mundo gira uma vez mais: hashtags iludem os esperançosos, fatos e números assustam os apocalípticos, enquanto nos primeiros minutos do ano novo crianças preenchem o palco iluminado do festival musical que lembra a todos: os bons tempos voltaram. No centro do tablado o homem chucro preenche …

  Sábios ciclones assustam os vergonhosos clones liderados por robôs sem ossos, capazes de adulterar direções políticas no abastado Estado em estado de degradação espiritual. Um Estado que seria bastardo, caso seus pais não fossem revelados em qualquer bar do lado do centro do peito. Haja bebidas, hormônios injetáveis e drogas pesadas para sustentar esses …