Cinema Indígena na UNICAMP

cinemaindigena;

O Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena (CPEI) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) promove neste mês de agosto sua primeira Mostra de Cinema Indígena, que ocorrerá entre os dias 28 e 30 no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH/UNICAMP). A ideia dos pesquisadores responsáveis pela organização do evento – João Roberto Bort Júnior e Verônica Monachini, respectivamente, doutorando e mestrando em Antropologia Social – é aproximar, por um lado, estudiosos e o público mais amplo do universo cultural e social dos povos indígenas por meio do cinema e, por outro lado, criar espaços na universidade para que os próprios indígenas possam apresentar suas produções audiovisuais ou que sejam delas reflexão.A programação completa, que reúne filmes inscritos pelos próprios realizadores, pode ser acessada no site do evento (https://mostracinemaindige.wixsite.com/cpei). Nessa primeira edição, será abordado temas como território e conflitos, relação dos indígenas com a cidade, encontros entre povos, suas interações com o meio ambiente, entre outros. Após as exibições, que acontecerão na parte da manhã e da tarde dos três dias, debatedores indígenas e não-indígenas ensaiarãoanálises críticas junto com o público. Os filmes são meios e fins da reflexão que se pretende com a Mostra de Cinema Indígena. As sessões cinematográficas são abertas e, para aqueles que desejarem certificação, há possibilidades de inscrição também pelo site.

Além disso, os organizadores do evento realizam Ciclos de Cinema Indígena, que consiste em exibições mensais de realizações audiovisuais de uma determinada etnia a convite dos pesquisadores. Para os próximos meses, imaginam fazer sessões de filmes feitos por indígenas kaingang que vivem no norte do estado do Paraná. Outras novidades estão sendo imaginadas como, por exemplo, trazer representantes de aldeias que se localizam no Xingu e em Pernambuco para apresentarem suas obras.

A iniciativa chega num momento importante para essas populações que poderão concorrer ao vestibular indígena na UNICAMP. É a primeira vez que haverá cotas étnico-raciais no processo seletivo para as vagas dos cursos de graduação da instituição. No próximo ano, um total de 72 indígenas ocuparão as cadeiras das salas de aula da universidade. Os interessados poderão realizar vestibular em cidades como Recife (PE), Manaus (AM), São Gabriel da Cachoeira (AM), Campinas (SP) e Dourados (MS). Outras informações podem ser consultadas no site da CONVEST (https://www.comvest.unicamp.br/vestibular-indigena-2019/). Indigenizemos a academia!

Anterior “Outros Mundos Possíveis” movimenta Morretes neste sábado
Próximo Dica da Ema - Coherence

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *