Curitiba sem gastar um centavinho

JuanaDobro;

Lugares incríveis que não estão na rota turística de Curitiba e não custam nada: o túmulo e as lendas da Maria Bueno podem ser um bom roteiro para uma viagem mais inusitada à cidade.

Sobrou mês no fim do salário? Não se preocupe, seja feliz (captou?). Então se liga, pois não é necessário um bolso cheio da grana pra fazer um programa diferente em Curitiba. A cidade reserva cantinhos, muitas vezes esquecidos, que podem ser uma ótima pedida para sair da rotina – mesmo sem dinheiro! E quem nem sequer sentiu o vento da crise arrasando seu rostinho também curtirá essas dicas supimpas. Afinal o melhor tempero da vida é a liberdade, e uma pitada de aventura deixa o caldo ainda mais emocionante. Para isso não se gasta um tostão, mas exige um respaldo direto: cara e coragem! Alguém aí tem disso? Então vamos lá!

Curitiba é uma cidade encantadora, mas para entrar nessa viagem muitos paradigmas devem ser transformados em pó (kabummmm). Na capital do Paraná existem pessoas exóticas, personagens fortes, lugares macabros, monumentos antiguíssimos, paisagens de tirar o fôlego, cultura para todos os gostos, construções pra lá de históricas e outras surpreendentemente modernas, espaços de silêncio e paz, ou ainda, de rock pesado e divertimento adoidado. Agora diz aí (…), sabe quem foi a Maria Bueno? Já fez um pedido no santuário de Schoenstatt? Já subiu o Morro do Canal? Já ouviu a Orquestra Sinfônica no Guaíra? Já babou no acervo maravilhoso da Gibiteca? Já entrou no museu Paranaense? Já protestou na Boca Maldita? Já meditou na Praça do Japão? Já se enclausurou na imensa Biblioteca Pública do Paraná? Já virou a noite na São Francisco? Já torrou no sol (ou congelou no frio) do Parcão? Já entrou “de grátis” no Museu Oscar Niemeyer (no primeiro domingo do mês tá?)? Já tomou banho no chafariz da Santos Andrade? Humm, acho que essa última dica é melhor não levar a sério, mas todas essas opções não estão nem perto de serem as únicas oportunidades gratuitas para desfrutar em Curitiba. Essa caixinha de pandora pode revelar muitas descobertas acessíveis para todos e repletas de emoção.

De cultura à natureza, de cimento à história, Curitiba tem muito a mostrar. Entre teatros e cinemas são raros os finais de semana que não se encontrará exibições gratuitas. Na música o leque se expande ainda mais, o frio traz um clima londrino para a capital do rock (com uma variedade de estilos dentro de um estilo). E não para por aí tem música clássica, samba, sertanejo raíz e uma coisarada. E por falar nisso (aos mais entendidos), essa é a cidade do Waltel Branco, um dos maiores músicos, erudito e popular, do País e, talvez, do mundo.Têm também os inúmeros parques (Tanguá, Tingui, Universidade Livre do Meio Ambiente, Barigui, Bosque do Alemão, e mais uma dezena) que surpreendem o turista e acolhem o curitibano. Os museus, as praças, os arredores. Tá pronto para encarar a metrópole? Ainda vai uma última dica: há quem diga que o curitibano é fechado e meio ranzinza, mas bancos não faltam por toda a cidade. Ao se sentar num deles, uma outra história poderá ser ouvida e novos caminhos e memórias desse lugar enigmático serão revelados, mas só para aqueles que souberem ousar, sem gastar. Não bobeie, desfrute!

Juana Dobro

Anterior NOSSA CULTURA - COM BENE CHIREIA - EXIBIDO EM 30/05/2018
Próximo Sérgio Albach apresenta “Clarone no Choro”

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *