Junior Saurin: O prazer e os desafios de treinar um time amador

Capão Raso, Junior Saurin

Junior Saurin (divulgação/DRAP)
Junior Saurin (divulgação/DRAP)

Não é possível falar de Capão Raso sem falar de Junior Saurin. O treinador está indo para a sua sétima temporada no comando técnico do Tricolor de Aço. Nesse período, foram dois títulos da Copinha, uma campanha de acesso na temporada 2015 e desempenhos regulares na série A da Suburbana.

 

Há 12 anos como técnico de times amadores de Curitiba, Junior Saurin tem um extenso currículo na Suburbana. Nessa entrevista, repassamos sua carreira, falamos dos desafios de treinar um clube amador, o período do Capão Raso na série B da Suburbana, e muito mais. Confira!

 

Bruno:

— Quando você começou e por onde passou? —

 

Junior Saurin

— Comecei minha carreira de treinador no extinto São Paulo do Xaxim, em 2008, na equipe de juniores. Em 2009, comandei o também extinto Osternak e conseguimos subir para a série A. Em 2010 trabalhei novamente com o Osternak, e em 2011 comandei o finado Arbesc; naquela campanha, caímos na semifinal da série B para o Novo Mundo.

 

em 2012 assumi a equipe do Vila Fanny, no ano seguinte tive uma passagem rápida pelo Novo Mundo e em 2014 assumi a equipe do Capão Raso, onde estou até hoje. Ano passado saí para comandar o Vila Sandra na Taça Paraná, mas voltei para o Capão Raso pra Suburbana. –

 

Bruno:

— Como é treinar uma equipe de futebol amador? Como funciona o entrosamento do time com as mudanças de uma temporada para a outra? —

 

Junior Saurin:

— Treinar o amador é um prazer enorme e ao mesmo tempo uma aventura, devido às grandes dificuldades que você encontra. Nem sempre você consegue contar com todos os atletas. A dificuldade de um ano para o outro é que quase sempre você precisa contratar no mínimo metade do time novamente. Mas sempre será um prazer, por estar fazendo aquilo que gostamos. –

 

Bruno:

— O Capão Raso passou dois anos na série B da Suburbana. Como foi esse período? Qual foi a maior dificuldade? —

 

Junior Saurin:

— A  maior dificuldade com certeza foi montar um bom elenco, já que a situação financeira do clube não era das melhores, ainda mais por ter caído pra B pela primeira vez. Infelizmente no ano de 2014 não conseguimos o acesso. Caímos na semifinal para a equipe do Nacional, mas conquistamos a Copinha.

 

— Em 2015 conquistamos novamente a Copinha, mas mais uma vez acabamos caindo na semifinal da série B, contra a equipe do Combate Barreirinha. Mas por sorte o Combate acabou pedindo licença no ano seguinte, abrindo uma vaga pra nós.

 

— Nesse ano de 2015 tínhamos sido eliminados nos pênaltis para o Combate. Até ali não havíamos perdido pra ninguém, tínhamos a melhor campanha, 59 gols pró e só 19 sofridos. Mas o futebol tem dessas coisas. Mas no final deu tudo certo. –

 

Bruno:

— O Capão Raso vem de duas campanhas regulares na Suburbana. Você acha que o Tricolor de Aço consegue atingir um novo patamar nos próximos anos? —

 

Junior Saurin:

— Com certeza vamos trabalhar pra que o clube consiga fazer campanha melhor que tem feito, quem sabe até conquistar um título… —

Capão Raso chegou nas semifinais em 2016 (divulgação/DRAP)
Capão Raso chegou na semifinal em 2016 (DRAP)

            Bruno:

— partindo para perguntas mais pessoais: Como é e foi sua relação com o futebol? Já jogou ou sonhou em jogar? Pretende passar sua carreira como técnico do amador no Capão Raso ou passar por outros clubes também? —

 

Junior Saurin:

— Como todo brasileiro que gosta de futebol, eu sonhava em ser profissional, mas não tive muita sorte. Acabei só jogando futebol amador até virar treinador.

No momento estou no Capão Raso, mas o amanhã nunca se sabe. Posso continuar ali, como posso sair em busca de novos desafios. –

 

Bruno:

— Quais os melhores jogadores que você já treinou na Suburbana? —

 

Junior Saurin:

— É difícil citar nomes, mas com certeza trabalhei com bastante gente boa. Nosso amador ta cheio de craques, tem grandes jogadores. –