Let’s Design

Let’s Design

Olá leitores da nossa coluna, muito prazer. Aqui vamos falar de design e suas variantes, de sustentabilidade, de políticas públicas e recursos, de prêmios, de eventos e o que mais der na telha pra tratar desse assunto apaixonante que é design.

Somos 3 amigos e parceiros – Paulo Souza, publicitário e fotógrafo, Rômulo Lass, arquiteto e artista e Maria Teresa Romanó – designer e artesã. Desde 2012 tocamos nosso escritório de design e arquitetura chamado Let’s e mais recentemente, um braço de desenvolvimento de produtos chamado Let’s Design CWB, nome da nossa coluna Cultura 930 <3. Nossa bandeira é – arquitetos, designers e publicitários pensam de forma diferente. Juntos pensam melhor.

 

Para começar, vamos contextualizar o que é design

Design é projeto e designer é um observador do mundo, atento aos recursos naturais e tecnológicos que dispomos, com profundo conhecimento e objetivo centrado no usuário.

Os projetos partem de um problema ou questão e inicia em um planejamento, seguido da criação, dos testes,da produção e da execução. Devemos entender o design como agente transformador tecnológico, cultural e principalmente social. Se de um lado se pensa em criatividade e inovação ao se pensar em design de produtos e serviços, por outro há que se pensar no processo levando em consideração questões ambientais, sociais, inclusivas, num sentido amplo e transversal. Deve ser sustentável, ou seja, aproveitar o que o mundo nos oferece sem comprometer a disponibilidade e preparando o mundo para as futuras gerações. É uma equação bastante complexa, mas não faz sentido criar mais coisas nesse mundo já tão cheio de coisas que não seja em benefício do ser humano e seu habitat.

Para Victor Margolin*, no passado o design foi apenas entendido como uma atividade destinada a dar forma a objetos, porém hoje o design é um ato de invenção: um processo que pode resultar em produtos materiais ou imateriais. Na opinião dele, os estudantes de design precisam ser preparados para o futuro, com competências únicas, para dar forma a planos e propostas. Para tal é necessário inserir nos programas curriculares, áreas da economia, da sociologia e da política de modo a entenderem como a sociedade funciona e de que modo podem intervir nos sistemas sociais. É importante desafiar as escolas a repensar a maneira como introduzem socialmente os alunos ao mundo do Design.

Enfim, design não é mais só aquele carrão, aquela cadeira, aquela sobrancelha, aquela logo ou folheto. Design está em todo o pensar de processos, meios, fins e pós fins que devem se retroalimentar. É respeito. É empatia. É ser humano.

 

 

* Victor Margolin é Professor Emérito de História do Design na Universidade de Illinois, Chicago, co-editor da revista académica, Design Issues, e autor, editor e co-editor de vários livros.

Anterior Quinta Autoral com Elian Woidello
Próximo CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DO 4º ANTONINA BLUES FESTIVAL

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *