Pensar para desenhar um novo futuro

LetsDesign;DesignThinking;

Já ouviu falar em design thinking e em suas aplicações? Então, design thinking é, simplesmente, usar a metodologia de trabalho de um designer em diversas situações. A partir de um determinado problema – e é fundamental entender muito bem o problema – e com objetivo centrado no usuário, tem como principal meta encontrar respostas que sejam revolucionárias ou inovadoras para as situações identificadas.

Para a metodologia fluir bem é importante limpar a mente de conceitos e preconceitos e ir a campo, sair da zona de conforto, aplicando o método TBC – tirar a bunda da cadeira, já que o melhor jeito de aprender a fazer é vivenciando, experimentando e fazendo. E fazer de forma colaborativa, experimental – já que se aprendemos e transformamos o projeto no decorrer do processo – sendo criativo, ousado, corajoso e o mais importante de tudo, empático, habilidades importantes para quem vai participar.

Uma vez definido o problema, o processo inicia com pesquisa, conhecimento real do público e captação de informações em campo. Com informações suficientes para gerar alguns caminhos, parte-se para o brainstorming, e na seqüência, para os testes, definição do modelo, aplicação e validação do modelo proposto e implementado.

São muitas e intermináveis as formas e possibilidades de aplicação do processo para obter resultados importantes e que, de fato, tragam resultados para o usuário e para quem o implementa. Sistemas de atendimento de uma clínica ou companhia aérea, vendas de um determinado produto, lançamento de um novo curso, etc. são alguns exemplos de aplicação.

Por ser centrado em pessoas, o design thinking tira o processo criativo da esfera artística apenas e leva para um cenário funcional e com resultados muito mais assertivos. Citando o mago do design – Steve Jobs (da Apple: “design não é apenas o que parece e o que se sente. Design é como funciona”. Jobs raciocinava com essa metodologia e um dos seus méritos foi desenvolver uma nova conversação entre máquinas e humanos, fazendo com que eles literalmente “falassem a mesma língua”.

Enfim, a grande sacada dessa técnica é que nos ajuda a pensar em novos caminhos. Pensar e agir da mesma maneira como agimos há 100 anos não vai nos levar a futuros diferentes. Hoje enfrentamos desafios que não eram sequer imaginados há poucas décadas. Temos que repensar e redesenhar métodos de produção e consumo para que nossos recursos não sejam desperdiçados. Daí a importância de aplicar a metodologia, que nos ajuda a pensar de forma crítica e criativa em busca de novas e incríveis oportunidades.

Anterior CANÁRIO ENTREVISTA O CANTOR ALYSOM BRASIL
Próximo Gringos’s Washboard e a música típica de New Orleans

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *