Precursora das artes visuais ganha exposição no Museu Paranaense


Iria Corrêa, fez carreira na metade do século XIX com naturezas-mortas e retratos de personalidades paranaenses, é destaque em mostra individual.

O Museu Paranaense abre nesta quarta-feira (27), às 19 horas, a exposição individual da artista Iria Corrêa, precursora das artes visuais no Paraná. Com curadoria de Amélia Siegel Corrêa e Giselle de Moraes, a mostra Em foco: Iria Corrêa é composta por obras do acervo e coleções particulares, objetos pessoais e uma fotografia (daguerreótipo) pouco conhecida da artista. O evento integra a programação do Mês das Mulheres da Secretaria de Estado da Cultura, que evidencia o protagonismo das mulheres em diferentes áreas artístico-culturais.

“É uma satisfação trazer à luz as obras da artista Iria Corrêa”, afirma a diretora do Museu Paranaense, Gabriela Bettega. A mostra será formada por obras do acervo do museu, de coleções particulares e outras instituições. “Todo esse esforço tem como objetivo apresentar sob uma nova abordagem uma artista ainda pouco conhecida e com uma produção fértil”, comenta.

A ARTISTA – Nascida em uma família tradicional de Paranaguá em 20 de outubro de 1839, Iria foi a segunda filha entre nove irmãos. Aos 10 anos foi matriculada no Colégio Particular Feminino James, das britânicas Jéssica e Willie James, onde se destacou nas aulas de música e pintura.

A artista produziu obras em crayon, pastel, aquarela e óleo. Entre os temas retratados estavam imagens de santos, paisagens, naturezas-mortas e retratos. Iria Corrêa foi contemporânea de figuras como Julia da Costa e Fernando Amaro, e é considerada uma das mulheres mais instruídas de seu tempo.

Seu pioneirismo está, principalmente, na carreira que desenvolveu como artista em uma época em que as mulheres eram quase invisíveis enquanto profissionais. Ela recebia encomendas, dava aulas e, por um determinado momento, sustentou sua família com seu trabalho – é considerada a primeira mulher a se dedicar profissionalmente à pintura no Paraná. Iria faleceu aos 48 anos, em 14 de março de 1887.

“A mostra individual Em foco: Iria Corrêa apresenta-se como uma primeira etapa de pesquisa e posicionamento da obra da artista no contexto da arte paranaense e brasileira. O significativo conjunto de obras e objetos de Iria Corrêa que conseguimos reunir, alguns deles nunca expostos em Curitiba, é fundamental para a análise de sua contribuição às artes visuais”, explicam as curadoras.

RECONHECIMENTO – Ainda que o trabalho de Iria Corrêa não seja lembrado como o de outros nomes de referência das artes no Paraná, o reconhecimento ao seu legado tem se intensificado no decorrer dos anos.

Em trecho do artigo Uma Pintora Personagem, assinado por Juliana de Menezes e publicado no 62º Boletim do Instituto Histórico e Geográfico do Paraná de 2010, a autora comenta: “Iria não faz parte de uma história da arte paranaense que é, ou deveria ser, contada, salvo exceções.

Lembrada, pesquisada e estudada seriamente por pessoas esclarecidas, dentro ou fora das Artes Plásticas do Paraná, que a reconhecem e valorizam os seus trabalhos de um modo geral, sem preconceitos, bem como respeitando-se sua época, considerando tantas adversidades para expandir todo o seu potencial artístico e sensibilidade para o belo.”.

De 23 de agosto a 17 de novembro de 2019, o Museu de Arte de São Paulo (MASP) vai expor duas obras da artista paranaense na exposição “Histórias das mulheres”, dedicada ao trabalho de mulheres artistas do século XVI ao XIX.

SERVIÇO

Abertura da exposição Em foco: Iria Corrêa
Data: 27 de março
Horário: 19 horas
Período expositivo: até 15 de julho de 2019
Entrada gratuita

Museu Paranaense

Rua Kellers, 289, São Francisco – Curitiba
Visitação de terça a sexta-feira, das 9h às 17h30. Sábado, domingo e feriado, das 10h às 16h.
(41) 3304-3300 www.museuparanaense.pr.gov.br.