Reverberação de dentro

WagnerRengel

OUÇA:

LEIA:

Eu já morri. Uma, duas, três…
Eu quase morri. Quatro, cinco, seis…
E todas as vezes eu nasci. Renasci.
Para quem morre só tem uma saída, ou melhor, não tem saída.
E nascer exige uma força de sabe-se lá de onde surge. Coisa que ninguém lembra.
Renascer já é outra coisa. A gente lembra bem.
Não é de hora para outra. É devagar.
Bem devagar.
Começa no fim do susto, depois que a morte, satisfeita, vai embora.
Olha ao redor.
Sente-se perdido, bem mais do que quando estava assustado.
Na hora da morte sabe-se bem onde está.
Ao redor se vê, se fala. Toma todas as medidas para limpar a bagunça que a festa da morte deixou. Pode até parecer organizado, objetivo.
Mas, está completamente perdido, agarrado no último fio da vida com algum resto de memória de como se faz quando tudo já acabou.
Por dentro, enquanto fora varre os cacos das janelas esperançosas, é um vazio, oco de tudo, fazendo eco: e agora? E agora? E agora?…
Renascer é devagar. Bem devagar.
Quanto mais trabalho resta, melhor. Ninguém quer saber do vazio.
Mas, uma hora, o trabalho acaba. Aí que, de fato, há o que se fazer.
Pois, se suturam a pele por fora, por dentro, há que se abrir a alma.
Há que se abrir a alma.
Gente que renasce nunca mais volta. Algo fica para trás e não adianta tentar buscar. Aí está o oco, o oco da história.
Uns se compensam, recompensam, põem em Deus a causa e o efeito.
Agradecem a chance de seguir.
Outros, esquecem das crenças, se agarram onde podem, parecem loucos atrás do que foi perdido.
Há os que choram, lamentam.
É que dói saber que perdeu, se perdeu.
Demora.
Vai tempo para se encontrar.
Quem sabe quanto tempo leva não sabe que nascer e morrer são coisas fora do tempo.
Nunca mais, depois da última vez que morri, achei em mim o falecido.
Demorei tanto para perceber que, enquanto tentava encontrá-lo, só ouvia o eco luminoso de um desconhecido de mim, o único vivo, que reverberava minhas próprias palavras: e agora? E agora? E
agora?
Foi devagar.
Bem devagar.

 

ASSISTA:

 

Anterior NOSSA CULTURA - COM MOVIMENTO PARABÓLICO - EXIBIDO EM 17/10/2018
Próximo Regional Curitibano lança CD no Teatro Positivo com entrada gratuita

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *