Um final de semana “Blues”

AntoninaBluesFestival; AntoninaBlues

“A ideia é conectar pessoas, apreciadores, músicos e muita cultura, com a magia de uma cidade histórica e maravilhosa como Antonina” – disse um dos organizadores do 4o Antonina Blues Festival, que aconteceu nesse último final de semana, na cidade de Antonina, litoral do Paraná. “A união de todos os artistas, produtores, idealizadores, comercio local, prefeitura, comunidade, possibilitou esse momento mágico onde o Blues dominou todos os espaços do município”. Foi assim que aconteceu a quarta edição do Antonina Blues Festival, nos dias 6, 7 e 8 de julho: uma explosão de criatividade, músicas de qualidade, pensamentos incríveis, pluralidade de talentos.

Foi emocionante ver em cada espaço da cidade um blues conduzindo a energia de todos. Na rodoviária, nos restaurantes, nos hotéis, na rua, na ferroviária, na padaria e até em uma oficina mecânica.  Cérebros fervilhando com as incríveis possibilidades criativas de um repertório centenário, clássico e universal.

Milhares de pessoas passaram pela cidade na sexta, sábado e domingo (de acordo com a prefeitura municipal, um público aproximado de 5 mil pessoas) . Foram aproximadamente 40 shows acontecendo em diversos locais da pequena Antonina.  Isso dá uma dimensão e mostra que o festival deixou de ser algo para poucos, e vem se tornando referência (que venha o próximo). O Antonina Blues Festival se reafirmou como um dos festivais mais relevantes para o cenário Blues/ brasileiro.

Para quem perdeu ou para quem presenciou esse momento vale a descrição (seja para conhecimento, seja para refrescar a memória). O evento teve início da Ferroviária antiga, que fica bem na entrada da cidade. A banda curitibana Comboio Saci, com um blues/ jazz instrumental fez um show lindo. O prefeito de Antonina, José Paulo Vieira Azim – Zé Paulo, estava presente no momento e falou sobre a importância do festival para Antonina. “Nosso município acredita na cultura como uma extensão da história de Antonina, incentivando a cultura resgatamos todo o valor da cidade e atraímos a atenção dos moradores e visitantes para a beleza natural da nossa região como um todo”, explica. A escolha da ferroviária como ponto de partida do evento também se deu com o propósito de fortalecer a importância da restauração desse ponto (fica a dica para o governador). Na sequência aconteceram shows em restaurantes locais, nas ruas e no palco principal, em frente à Igreja Matriz e ao lado do Hotel Camboa. A noite de sexta-feira foi histórica, teve bandas como The Preachers (resgate do Blues gospel/ spiritual blues), Tony Caster and The Black Mouth Dogs,  Mister Jack (a banda, precursora do blues no Paraná,  retornou aos palcos após 5 anos – e fez um show lindo demais) e a grande estrela do festival, Lorenzo Thompson (bluesman de Chicago). O clima estava frio e chuvoso, mas não impediu o público de entrar em um êxtase com a qualidade desses músicos. Ainda na sexta-feira, aconteceram show com Diego Nicolay, Felipe Ito, Lucian Araújo, Jelly Roll e Antonina Samba Jazz (composta por músicos da antoninenses).

 

No sábado o dia já amanheceu lindo, um sol abençoado irradiou sobre cada pedacinho da cidade e garantiu um público maravilhoso, que prestigiou cada uma das 15 bandas/ músicos que se apresentaram na programação do dia (fora outros músicos que entraram no clima e mandaram ver pelas ruas). Foram diversos momentos indescritíveis, teve show do talentoso bluesman paranaense Décio Caetano com o super pianista de blues Bernardo Manitta, do emblemático Lendário Chucrobillyman (Klaus Koti), da envolvente banda Dinamite Combo que levou o público ao delírio, da banda catarinense Booze’n’blues com um blues clássico e a voz fantástica do Clayton Oliveira, da banda Red Foot que lançou seu segundo álbum (Borderline) no evento, do inventivo Davi Henn com seus vinis caseiros, da banda Blues Things, do trio paulista Leo Uoya e, mais uma vez, um espetáculo com o super músico Lorenzo Thompson, que bancou a estrela no palco e mostrou para todos seu verdadeiro Blues, mas fora do palco esbanjou humildade e simpatia como um perfeito gentleman.

Depois de tudo isso (uma overdose de música boa e de qualidade), ainda veio o domingo cheio de surpresas e encantos para o público presente. Teve Jam Sessions, tributo ao Elmore James, show com a Boogie Jump Blues Band, Dose’n Blues, Irmãos Caruso, Banjo Bones e as Criaturas do Pântano, e um show inesquecível com o Décio Caetano Quartet (um dos momentos mais brilhantes do festival).

Ainda rolou muita diversão à parte, comida típica, food trucks, a kombi do Julian (cabine fotográfica), bazares de livros, discos, roupas, acessórios, e toda a beleza turística, histórica e natural da encantadora Antonina.

Se esse resumão não foi suficiente para dar conta de tanta coisa interessante vista no festival, não se preocupe afinal ano que vem tem mais. Ja dizia o mestre do festival, Marcos Maranhão, “não fica no fim de semana, mas naquilo que começamos a construir a partir dele”.

A Rádio Cultura de Curitiba, parceira do evento, esteve lá e registrou muitos momentos. Confira na galeria!

 

Anterior 6ª edição do Festival de Inverno tem música, teatro na rua, sopa e mais de 60 atrações no Centro Histórico de Curitiba
Próximo ANTONINA BLUES - EXIBIDO EM 11/07/2018

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *